Adrenalina

Um corpo vivendo… Aparelhos.  Silêncio.Frio.

Uma vida que não fazia barulho, nao aglomerava multidões, nem servia de exemplo, apenas o ritmado pulsar artificial, olhos fechados, pulso fraco. Comida? Tanto faz. Roupas? Tanto faz. Tudo, tanto faz!

Mas um dia, alguém apareceu, piscou, surgiu. E trocou o remédio, aquele dia que começou como todos os outros, dia ordinário,  cheio de nada e repleto de incerteza, alguém esteve lá.

No soro da realidade insossa injetaram adrenalina e num susto aquele corpo pulou, olhos abriram, coração bateu,  rápido, rápido e cada vez mais rápido, tão forte que sentia-se no ouvido, então sentiu falta de ar e sentou na cama. Arrancou tubo, agulhas, tudo e pensou  “Estou viva!”. Olhou pernas e mãos, olhou em volta, saltitou até o espelho, sorriu e sussurou “Estou viva!”. Olhou a seu corpo, ajeitou o cabelo e sorriu…Era como se em muitos anos não houvesse um menor fio de esperança , pensava repetidamente “Estou viva!!!!!!” Como se isto fosse proibido.

O inesperado trouxe de volta quem ela realmente era.

O problema é que coisas assim são momentaneas, uma gota no chão árido, a água que não sacia, precisava saber quem esteve ali. Correu pra cama, olhou o soro, leu as anotações…Pensou em fugir, abraçar a chance incerta e ir, mas não. Tinha que ter isto como permanente. Voltou ao espelho e sorriu, prendeu os cabelos, passou batom…Abriu a janela e sentiu o vento… Respirou como se fosse levar o ar de lembrança…Aquela euforia era ela, aquela graciosidade, aquele sangue quente, aqueles desejos.

Estava viva, sentia o medo, sentia a alegria, sentia a necessidade, viu uma seringa no chão perto da cama, líquido amarelo, segurou-a contra o peito como se a abraçasse, percebeu uma pegada, pés adrenalisticos, mãos que acenderam a vida, tocou a pegada como forma de agradecimento e pretendia segui-la com todo amor de seu ser, até que ouviu  um barulho…

Pulou pra cama e deitou-se como costumeiramente, hora da visita. Ouviu a mesma voz de todos os dias, sorrindo com outras pessoas que conversavam, sentaram-se naquele quarto, completamente a vontade, falavam de muitas coisas, e nem perceberam nada… Ela queria gritar “ESTOU VIVA!”, queria rir do susto que levariam, queria pular e sair correndo com a bunda de fora naquele corredor, pois sentia a vida pulsar em si mesma. Queria encontrar as mãos que simplesmente apareceram. Até que alguém olhou pra ela e disse : “Está sem o tubo ?”, “Não acredito!” – Rapidamente introduziram a respiração artificial ,colocaram novamente o soro e a visita pode alisar aquele corpo inerte e se sentir seguro.

Ao final ele olhou bem pra ela e comentou : Algo está diferente?!- Todos pararam. Dizia do cabelo, do rubor na face, do batom? (Ela ainda resistia em manter a consciencia).  Respondeu alguém “Deve ser a janela que está aberta!”

“Sim, com certeza é a janela”.

E volta a vida a mesma rotina agonizante

Anúncios

2 Respostas to “Adrenalina”

  1. E continuo na cama até quando?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: